Tudo sobre o mundo da internet e suas novidades – Blog Città Telecom

Como monitorar o tráfego de rede da sua banda larga

Este artigo irá ensinar você a utilizar alguns dos melhores programas para monitoramento de tráfego de rede.

Algo fundamental para administradores e também usuários com curiosidade a respeito de informações que os ajudem a aproveitar melhor sua conexão.

NetTraffic, NetWorx e WireShark para seu monitoramento de Rede

 

 

Os dois primeiros são bem simples, ideais para usuários em geral. Já o terceiro é muito detalhado e, portanto, indicado para profissionais ou usuários com extenso conhecimento em termos de rede.

NetTraffic

A instalação do NetTraffic é bastante simples, e logo após a conclusão já é possível observar o ícone na systray (Bandeja de sistema, ao lado do relógio). As duas flechas representam os índices de download e upload. Deixe o cursor do mouse sobre o ícone para saber os valores.

Controle de dados

É em “Statísticas” (sic) que você monitora os dados em tempo real, em “Estado Atual”. Um detalhe muito bom do NetTraffic é o monitoramento de dados em virtude do tempo. Ou seja, ele informa dados enviados e recebidos da última hora, último dia, mês ou até do ano.

A aba “Gráfichos/Tabelas” (sic) serve como um histórico da conexão. Determine a data inicial e a final do período desejado, escolha a melhor unidade de tempo (entre hora, dia, mês e ano), escolha se o gráfico deve ser para o tempo ou o tráfego e clique em “Procurar” para gerá-lo.

Ele pode ser exportado para um arquivo XML, com o botão “Exportação de”. Da mesma maneira, o NetTraffic também importa dados de um arquivo desse tipo, com o botão “Importação de dados”. Essas são ferramentas úteis caso você precise reinstalar o programa ou utilizá-lo em outro computador, por exemplo.

NetWorx

NetWorx é outra opção para monitoramento da entrada e saída de dados. Preste atenção à instalação do programa, pois é necessário marcar a opção para instalar a extensão para desktop que exibe as informações na Barra de tarefas do Windows 7.

Wireshark

Antigamente chamado Ethereal, e é um dos mais famosos analisadores de tráfego de rede. Ele verifica os pacotes transmitidos pela placa de rede ou placa de modem a fim de identificar problemas como conexões suspeitas.

Todo o tráfego de entrada e saída é analisado e mostrado em uma lista com diversos recursos de navegação.

  • Durante a instalação do Wireshark, você tem a opção de instalar componentes adicionais, a começar pela interface gráfica. Ela facilita bastante a compreensão dos dados, portanto é recomendado deixar a opção “Wireshark” marcada. Outros adicionais incluem:

  • TShark, um analisador de protocolo de rede baseado em texto;
  • Plugins e extensões em caráter experimental;
  • Ferramentas de linhas de comandos;
  • Guia do usuário, para não precisar acessar a internet a fim de obter ajuda.

 

Esses recursos não são obrigatórios, portanto não é necessário instalá-los todos. Atente para a lista e marque aqueles de que você precisa.

 

Internet – Satisfeito com a velocidade da sua?

Você sabe qual é a velocidade da sua conexão com a Internet?

Sabe também quais são os fatores que influenciam na velocidade da sua conexão?

Vamos falar um pouco agora sobre:

A velocidade da conexão com a Internet e os fatores que tem influência sobre esta velocidade.

 

 

Em primeiro lugar, quando você contrata uma banda de Internet de 2Mbps, saiba que você não está contratando a velocidade de dois megabytes por segundo e sim dois megabits por segundo.

Um erro comum de vários usuários é pensar que ao contratar a velocidade de 2Mbps ele fará downloads a dois megabytes por segundo, o que está completamente errado.

Saiba que quando estamos falando de banda de tráfego, falamos em megabits, que significa a quantidade de bits por segundo que irá trafegar na sua conexão e, como todos já sabem 1 byte equivale a 8 bits, logo, poderíamos dizer que ao conratar a banda de 2Mbps, a sua velocidade nominal de download será de 256 Kilobytes por segundo (2048 / 8).

Note que eu falei de velocidade nominal e que essa velocidade é um pouco diferente da velocidade real da sua conexão. Isso se deve à vários fatores, alguns de ordem técnica e outros de ordem prática mesmo.

Como a intenção aqui é explicar para os mais leigos no assunto, não vou ficar escovando bits e falando dos fatores técnicos que fazem com que a nossa velocidade de conexão seja, na prática, inferior à que contratamos. Esse assunto está mais relacionado ao funcionamento do protocolo TCP/IP e quem tiver curiosidade, estude este protocolo para conhecê-lo à fundo e entender as questões técnicas.

Fatores de ordem prática

 

 

A conexão com a Internet se dá através de nós ou pontos que são interligados através de roteadores que fazem o papel de escolher a melhor rota para que os dados cheguem o mais rápido possível ao seu destino.

Pra a sua requisição sair do seu computador e chegar até o destino ela passa por vários roteadores e que, cada roteador neste caminho, significa uma nova rede interligada à Internet fazendo com que tudo funcione corretamente. Logo, temos o seguinte quadro:

Seu computador -> R 1 -> R 2 -> R 3 -> R 4 -> R 5 -> R 6 -> Destino

Como eu já disse que cada roteador (representado por R numero) é uma rede diferente e esta rede certamente estará também transmitindo e recebendo informações da Internet e, caso algum roteador destes no meio do caminho esteja com um tráfego muito grande, nós temos o que chamamos de “gargalo de conexão”, ou seja, muita informação para pouco espaço.

Seria mais ou menos como se você quisesse que 10.000 Lts de água passe por uma mangueira de jardim, vai passar, mas demora um pouco. Já se você tentar passar os mesmos 10.000 Lts de água por um cano bem grosso, a coisa vai fluir bem melhor. Pois bem, entenda a largura de banda da Internet como se fosse um cano e que, quanto mais grosso o cano (largura de banda), maior vai ser a quantidade de água (dados) que irá passar por ele.

Aqui já podemos notar que a velocidade da sua conexão com a Internet não depende somente da banda contratada junto à sua operadora e sim de todo um caminho que as informações fazem desde a sua origem (seu computador) até o seu destino (website ou servidor de e-mail) e vice-versa. É por isso que às vezes alguns sites abrem mais rápido no seu navegador e outros demoram mais para abrir.

Outro fator que deve ser levado em consideração é a largura de banda disponível no destino da sua requisição. Isso significa que não adianta nada você ter uma conexão capaz de receber 2Mbps de dados sendo que o servidor de destino está com uma banda de apenas 512Kbps para lhe enviar os dados. Temos aqui outro gargalo de conexão, muito pedido para pouca disponibilidade.

Provedores de Acesso

 

 

Em primeiro lugar, se você utiliza uma conexão do tipo ADSL, popularmente conhecida no Brasil como banda larga (Turbo, Speed, Velox e outras) saiba que o seu provedor de acesso NÃO é a Globo.com, UOL, Terra, IG ou qualquer outro provedor que você é obrigado a assinar para obter a sua conexão.

Estes são apenas provedores de autenticação e conteúdo, ou seja, uma sacanagem que inventaram por aqui para enfiarem a mão nos nossos bolsos e levarem um dinheiro com o consentimento do governo contrariando o código de defesa do consumidor que proíbe venda casada de produtos e/ou serviços.

O seu provedor de acesso é o provedor que lhe fornece a estrutura para acesso à Internet, ou seja: Oi/Brasil Telecom, Telefônica, Telemar, etc.

Os provedores de acesso funcionam da seguinte forma: Eles contratam dos backbones nacionais uma banda X, para exemplificar aqui (não são números reais, isso é apenas um exemplo), diríamos que a Oi/Brasil Telecom contrate uma banda de 10 Mbps da Embratel para fornecer serviços de Internet.

Com esses 10Mbps de velocidade, a Oi/Brasil Telecom oferece aos seus clientes velocidades de 400Kbps, 1Mbps e 2Mbps só que elas não fazem isso somente até “esgotar” os 10Mbps que ela tem disponível, ela vende o equivalente a uma banda de 100Mbps na esperança de que os usuários consumam apenas uma parte do que contrataram e que todos irão se conectar à Internet em horários alternados e, sendo assim, a sua banda de 10Mbps estará sempre com uma boa disponibilidade para os seus clientes.

Acontece que se 5 usuários que contrataram o serviço de 2Mbps resolverem utilizar toda a sua conexão para fazer downloads, a banda de 10Mbps estará saturada e os demais usuários ficarão com velocidades extremamente baixas e muito aquém do que foi contratado.

É por isso que em determinadas horas do dia é praticamente impossível assistir à um vídeo do Youtube sem que o vídeo fique engasgando o tempo inteiro (e aqui entra também a questão de disponibilidade do Youtube de entregar tudo que os usuários estão requisitando naquele momento).

Se você acha isso um absurdo, saiba que o seu contrato com a Oi/Brasil Telecom e outras prevêem este tipo de situação e que, geralmente, tem escrito no contrato, em letras miúdas, que a empresa só tem a obrigação de entregar 10% do que você contratou. Pode conferir, pegue o contrato que você assinou com a sua prestadora de serviços que você vai ver que não estou mentindo.

O que isso tudo significa?

Se você prestou atenção em tudo que leu até agora, saberá que acabou de se formar um gargalo de conexão logo na saída da sua rede. E é exatamente por conta deste gargalo que a sua conexão fica lenta.

Medir a velocidade da conexão da sua internet

Existem na Internet várias ferramentas para medir a velocidade da sua conexão e a que mais me agrada, justamente por me dar a opção de medir a minha velocidade através de vários pontos, é o site Teste Sua Velocidade. Através deste site é possível medir a sua velocidade de download e upload para 3 pontos distintos da Internet: um servidor em São Paulo, um servidor no Ceará e um servidor em Dallas, nos USA.

Se você fizer este teste verá que a velocidade nos 3 testes será bem diferente e, dependendo do horário que você fizer o teste, os resultados terão uma diferença muito grande. Geralmente o teste feito a partir do servidor de Dallas, nos USA é o que apresenta os resultados mais lentos. Isso se deve à quantidade de roteadores necessários para que a sua requisição chegue ao destino e volte com as informações para o seu computador.

Espero que vocês tenham gostado deste assunto e que algumas dúvidas tenham se esclarecido com este post.

Caso você ainda tenha dúvidas sobre alguma coisa relacionada à velocidade de conexão ou queira contratar um serviço de internet rápido e 100% em fibra ótica entre em contato com a Città e solicite a visita de um consultor – contato@cittatelecom.com.br

O que é segurança de TI, você tem na sua empresa?

O que é Segurança de TI?

 

 

A falta de Proteção, ou até mesmo uma proteção feita de forma ineficiente, pode acarretar grandes prejuízos

Em termos gerais, segurança de TI significa saber como manter informação digital privada protegida de pessoas não-autorizadas. Para isso, a UFF busca cumprir as regras previstas em lei sobre proteção da informação. Desta maneira, são necessárias políticas institucionais.

 

 

Quem trabalha para garantir tal segurança?

 

 

Já que há um limite sobre o que a Universidade pode fazer para manter seus dados seguros, é de responsabilidade de cada um manter a confidencialidade, integridade e disponibilidade deste tipo de tecnologia. Segurança de TI é um trabalho de todos.

 

A situação de hoje na Segurança de TI

 

 

Segurança de TI – e especificamente segurança da internet – se tornou uma das maiores preocupações das empresas e organizações de hoje. Veja essas estatísticas:

  • 112 universidades nos EUA reportaram violação de dados em 2007. Foi um crescimento de 72,3% em relação a 2006.
  • 48% das violações de dados em universidades norte-americanas, em 2009, foram decorrentes de empregados, o que inclui quebra de confidencialidade, fraude, perda de dados e falta de conhecimento sobre onde dados importantes foram salvos.
  • 8.1 milhões de residentes dos EUA foram vítimas de roubo de identidade em 2007, o que representa 3,6% dos adultos. O valor total perdido desta forma foi de US$ 45 bilhões.
  • O custo médio por empresa que sofre violação de dados é de mais de US$ 6,3 bilhões a cada violação.

 

5 ETAPAS ESSENCIAIS PARA TESTAR A SEGURANÇA DE TI

 

Coleta de Informações – Na primeira etapa, o mais importante é a obtenção de informações relevantes para o processo de teste de invasão, como identificação das máquinas ativas na rede, endereço de rede, máscara, gateway, entre outras.

Varredura – Após a coleta de informações, dá-se o início ao processo de mapeamento e varredura do ambiente corporativo. Nessa etapa, o foco principal é fazer um scanner a fim de identificar hosts ativos, as portas abertas de comunicação com servidores e quais serviços rodam em quais servidores.

Invasão – Após escanear e identificar as vulnerabilidades, é iniciado o processo de execução dessas falhas através de códigos específicos, chamados de exploits. Um exemplo de execução clássico é a obtenção de um shell para a aplicação de um código, ou ainda o acesso remoto a uma máquina sem a necessidade de qualquer tipo de autenticação ou por meio de senhas padrão. As principais técnicas de invasão são: Sniffing, execução de exploits e negação de serviço.

Mantendo Acesso – Nesta fase, existem algumas ações que precisam ser cumpridas rigorosamente para  a validação do teste de invasão. Essas ações são: a reunião de informações sobre o sistema invadido, busca por arquivos significativos ao teste de invasão e a criação de backdoors para posteriores acessos ao sistema. Com isso, é possível ampliar a exploração da rede ganhando assim maior acesso às maquinas e sistemas que antes não estavam visíveis na fase de scanner.

Cobrindo Rastros – Na última etapa do teste é preciso omitir a presença das atividades que foram realizadas na rede invadida. Para isso, é preciso encontrar maneiras de conseguir “esconder” arquivos dentro de outros arquivos a fim de evitar essa identificação. As principais técnicas para essa omissão são o tunelamento e esteganografia.

 

IP Fixo e IP Dinâmico

Assim como cada um de nós tem um endereço e um número de telefone, na internet, cada site, serviço ou usuário também tem um IP – uma combinação numérica correspondente a cada conexão.

 

O IP – o protocolo mais básico da internet – é sempre exclusivo, já que é a única forma que os sistemas operacionais e dispositivos da rede poderão identificar cada computador.

 

O que pouca gente sabe é que existem dois tipos o IP físico e o IP dinâmico.

 

Tudo bem, mas que diferença isso faz?

 

Primeiro, vamos entender…

 

IP fixo ou estático

 

 

É aquele definido manualmente e que não mudará a não ser que você modifique as configurações do protocolo TCP/IP da sua máquina.

 

Um IP fixo é sempre necessário quando o computador é uma fonte de dados a ser acessada remotamente.

 

“Um servidor necessita de um IP fixo porque, todas as vezes em que a pessoa for acessar o nome do site, existe um serviço chamado DNS que faz a tradução do nome que a pessoa está digitando para o IP”, explica Weberton Souza, supervisor de redes da Telium.

 

IP dinâmico

 

 

Como o próprio nome diz, muda o tempo todo; ou melhor, a cada nova conexão à web.

 

Os provedores de acesso à internet utilizam protocolos específicos para que a distribuição desses IPs seja feita automaticamente para cada dispositivo que se conecta à rede. A maioria de nós, em casa, utiliza IPs dinâmicos – que além de mais baratos, são mais seguros e eficientes.

“O IP dinâmico não garante segurança nenhuma, só que ele é um passo a mais, porque como você não tem um IP fixo, ainda que uma pessoa mal intencionada descubra o seu IP naquele momento, ela vai ter de refazer todo o processo para descobrir seu IP novamente amanhã, por exemplo. Porque amanhã você vai se reconectar e o seu computador vai ter um novo endereço IP”, diz Souza.

 

Hoje é raro encontrar usuários que possuam IP fixo, mas a maioria das empresas prefere esta opção. Tudo bem, o acesso com IP estático é muito mais caro que o dinâmico, mas ele oferece vantagens; entre elas, principalmente a facilidade de administração e o acesso remoto. Sabendo o “endereço fixo” de uma máquina ou de uma rede, é muito mais simples acessá-la de qualquer lugar.

 

Objetos conectados, como câmeras de segurança, por exemplo, também podem usar IP fixo. Mas como no uso doméstico a predominância é do IP dinâmico, a saída para se conectar a esses objetos à distância são serviços de DNS dinâmico.

 

Na sua conta, neste tipo de serviço, depois de configurado, o roteador (em casa ou onde quer que seja) envia o número de IP que está sendo usado naquele exato momento para que você possa fazer o acesso remoto.

 

“Quando você tem o IP fixo, o acesso remoto a esse dispositivo é bem facilitado. Com o IP dinâmico você precisa de alguns recursos extras para conseguir efetuar esse acesso”, esclarece o especialista.

Descubra qual é seu IP na internet

Para descobrir seu IP na internet, você deve acessar o endereço IP do seu modem.

 

Lá haverá o item WAN, o qual faz referência aos dados que você obtém da sua operadora telefônica. O item “IP Address” mostra o número IP que você obteve de seu provedor. Confira a imagem abaixo.

 

Conclusão

Apesar do alto preço, muitas empresas não abrem mão do IP fixo para poder usar VPN’s, Redes Privadas Virtuais.

LAN TO LAN? PONTO A PONTO? TRANSPORTE IP? CLEAR CHANNEL?

LAN (Local Area Network) ou rede local, como é conhecida no Brasil.

 

Essas redes precedem e muito a popularização da internet e já na década de 1980 eram amplamente usadas no Brasil e no mundo para a troca de informações, arquivos e centralização de aplicações em servidores, otimizando a operação de terminais.

 

A tendência, nos dias de hoje, sem dúvida é migrar tudo para a nuvem – servidores, backup, armazenamento de dados, serviços e aplicações e muito mais. Ainda assim, algumas empresas possuem enormes servidores e até estações com minicomputadores processando centenas de terabytes de informações – e, infelizmente, migrar para a web assim, do dia para a noite, não seria possível e nem mesmo confortável para essas companhias.

 

No entanto, assim como outras empresas, elas possuem necessidades de comunicação em tempo real via internet e precisam fazer com que essas imensas redes locais “conversem” com outras, em pontos distantes, trocando o enorme volume de informações de que precisam.

 

O serviço de LAN to LAN, clear channel ou  interconexão de redes, é uma das soluções mais adequadas e utilizadas atualmente para imprimir velocidade a sistemas de empresas com esse perfil.

 

PRODUTIVIDADE

 

A principal palavra que pode ser associada ao serviço de LAN to LAN é “produtividade”.

 

Mesmo com várias redes locais, sua empresa já se vê obrigada a trocar informações em tempo real a todo o momento, utilizando hoje os links compartilhados ou dedicados que servem seus negócios com acesso à internet.

 

Entretanto, usar da banda de acesso comum para manter essas redes conectadas é algo dispendioso e caro, além de atrapalhar e causar congestionamentos na rede para os usuários comuns em sua empresa.

 

Com o serviço de LAN to LAN, sua empresa passa a possuir um canal específico para gerenciamento e tráfego desse tipo de dados entre datacenters ou servidores, deixando a banda de internet de uso comum livre para as demais operações conduzidas diariamente na sua empresa. Os ganhos de produtividade tendem a ser imediatos e, com eles, vêm os ganhos em termos de custo – os melhores para qualquer tipo de negócio.

 

Além de ter seu negócio amplamente conectado, você ainda dispõe de segurança e um atendimento personalizado em suas necessidades técnicas.

 

TRANSPORTE – PONTO A PONTO

 

A solução é perfeita para empresas que precisam de comunicação ponto-a-ponto com segurança e alta velocidade. E a Città Telecom oferece uma solução totalmente em fibra ótica até a sua sala.

 

Características da rede LAN to LAN:

  • 100% de Garantia de Banda
  • Fibra ótica até os sites do cliente
  • Velocidades de conexão flexíveis à demanda até 10Gb
  • SLAs (Nível de Serviços Contratados) de até 99,9% – Backbone e Acesso
  • MTTR Tempo Médio de Reparo, Disponibilidade de Serviço, Compromisso com tempos e prazos
  • Monitoramento do link 24×7
  • Atendimento e suporte técnico especializados

Entre em contato e agende uma visita de um consultor Città – no número 3400-5000 ou e-mail contato@cittatelecom.com.br

Monitoramento de Redes – O que Considerar?

O Monitoramento de Redes é uma das prioridades da TI da sua empresa?

 

O monitoramento de redes é observar, analisar e ficar atento aos possíveis sinais de que algo não está normal. Em tecnologia da informação, “não está normal” pode indicar indisponibilidade de um ou mais partes de um sistema ou mesmo uma lentidão ou diminuição na qualidade de serviços percebida pelo cliente.

Estar pronto para ação, ou mesmo agir antes de algo acontecer, são resultados de um bom ambiente de Monitoramento de Redes, servidores e serviços. Além disso, os dados históricos coletados por um bom sistema de monitoramento fornecem informações para que compras e upgrades sejam feitos de forma racional (Capacity Planning).

As ferramentas de monitoramento de redes permitem que métricas sejam apresentadas de forma visual com gráficos e mapas. Informações como consumo de banda, CPU, memória, ou tempo de consultas do banco de dados, podem ser rapidamente visualizadas, tanto com dados instantâneos como para dados históricos.

Um bom sistema de monitoramento de redes permite a criação de alertas para eventos de anormalidade e também permitem correlacionar sintomas com itens de infraestrutura.

Outra característica de um bom sistema de monitoramento é que ele deve ser suficiente para atender as mais diversas equipes, ambientes e necessidades, de modo a evitar que múltiplas ferramentas sejam usadas, dificultando correlações e tornando o ambiente ainda mais complexo.

Os profissionais de TI sabem que até mesmo os equipamentos de última geração e os softwares mais atualizados não garantem sistemas imunes a erros. Por isso, qualquer sistema crítico para um negócio deve ser monitorado constantemente para evitar interrupções que prejudiquem sua utilização pelos usuários.

Hoje veremos como as redes, que garantem a troca de informações entre os computadores da sua empresa, também exigem um acompanhamento de perto da equipe de TI para que possam ter um bom desempenho. Descubra a importância do monitoramento de redes!

Sempre por dentro

Quando uma empresa monitora sua rede, os funcionários responsáveis pelos processos de TI serão informados sobre possíveis falhas por meio de alertas de e-mail pré-programados. Isso faz com que a equipe fique sempre por dentro do desempenho a partir de qualquer lugar, podendo atuar de forma mais ágil, caso algum problema ocorra.

Imagine que a rede da empresa apresenta alguma falha no fim da noite. Caso a infraestrutura seja monitorada, um profissional poderá solucionar o problema imediatamente, de forma remota, antes mesmo que os funcionários comecem a trabalhar no dia seguinte.

 

Agilizando correções

O monitoramento da rede também torna a correção dos problemas mais rápida. Isso acontece porque as soluções para esse fim já mostram qual dispositivo pode estar causando a falha, reduzindo o tempo necessário para identifica-los e solucioná-los.

 

Identificando tendências no monitoramento de redes

A rede de uma empresa pode apresentar diversos problemas de forma isolada ao longo dos anos e, caso eles não sejam analisados com cuidado, algumas tendências importantes podem passar despercebidas pela equipe de TI.

Com uma ferramenta do monitoramento, os profissionais são capazes de identificar padrões nas falhas e, consequentemente, entender como está a saúde da rede para definir ações de melhoria.

 

Planejando com calma

Se algum equipamento começa a apresentar problemas constantes, prejudicando as tarefas, isso significa que sua empresa já perdeu o momento adequado para substituí-lo.

Quando a equipe de TI monitora a rede, no entanto, será possível programar manutenções periódicas ou investimentos em novos equipamentos para prevenir problemas em hubs, roteadores, modems ou outros pontos da infraestrutura. Isso evita que a rede opere no limite de sua capacidade por muito tempo, permitindo que a empresa planeje os investimentos com mais tranquilidade e sem grandes impactos no orçamento.

 

Facilitando a visualização

Quando a equipe de TI precisa explicar alguma questão técnica à alta gestão da empresa, são grandes as chances que ocorram ruídos na comunicação. Por isso, monitorar a rede com ferramentas voltadas para esse fim pode facilitar a visualização do desempenho do sistema e seus pontos críticos, o que favorece a tomada de decisão não somente da equipe de TI como também dos proprietários do negócio.

Com tudo isso, é possível perceber que o Monitoramento de Redes ajuda a tornar o trabalho da equipe de TI mais estratégico, criando soluções para os desafios tecnológicos antes mesmo que eles se apresentem. Continue acompanhando o nosso blog para descobrir como nossas ferramentas podem ajudar a melhorar o desempenho dos sistemas em sua empresa.

Exemplos de monitoramento de redes:
  • Qualidade de links, conectividade de redes;
  • Utilização de banda;
  • Saúde e uso de ativos de rede (roteadores , switches, access points CISCO, Juniper);
  • Diversos sistemas operacionais como Windows, Linux, AIX, Solaris, HP/UX;
  • Serviços em execução como Apache HTTPD, SSH, FTP, CIFS, Mensageria;
  • Servidores de aplicações Java como Weblogic, Websphere, JBoss, Tomcat e Jetty;
  • Servidores de aplicações .NET;
  • Parâmetros de performance de serviços(tempo em banco, tempo em rede).

 

Dúvidas? entre em contato com a Città, agende uma visita de um consultor e iremos oferecer a melhor solução para sua empresa.

 

Provedor: como isso impacta minha empresa

O Brasil está entre os maiores países do mundo, desta forma é comum que até mesmo o maior provedor de internet, ou ISP em inglês, não ofereçam cobertura total em diversos locais pelo território nacional.

Atualmente o país tem 25,23 milhões de acessos de internet banda larga fixa, segunda a ANATEL, estando presente em aproximadamente 38% das residências. Esses usuários estão concentrados principalmente nos estados das regiões Sudeste e Sul, com soma de aproximadamente 19 milhões de usuários.

No acesso à Internet a partir da residência ou de uma pequena empresa estão envolvidos dois tipos de provedores de serviço:

  • Provedor de acesso à Internet, é provedor de serviços de valor adicionado, que tem a função de conectar um computador (PC por exemplo) à Internet permitindo a navegação na World Wide Web e acesso a serviços como envio e recebimento de e-mail.

  • Provedor de serviço de telecomunicações que fornece a conexão entre a residência (ou escritório) e o local onde estão localizados os servidores do provedor de acesso a Internet. Esta conexão pode ser discada, fornecida pelas operadoras de telefonia fixa, ou Banda larga oferecida por operadoras de SCM.

Muitas empresas oferecem os dois serviços como um pacote. Já as operadoras de telefonia fixa são obrigadas a diferenciar os dois tipos de serviço.

A Città Telecom, por exemplo, oferece o link dedicado para empresas com alto tráfego de internet.

 

Entenda para que serve um provedor nos dias de hoje

 

Este som te lembra alguma coisa?!

 

https://www.youtube.com/watch?v=fY2rawRANvw

Para alguns, esse barulho esquisito é sinônimo de uma nostalgia gostosa dos princípios da internet, no início dos anos 90. Para outros, o ruído acorda um fantasma do passado e traz lembranças das inúmeras quedas de conexão e contas altíssimas de telefone no final do mês.

Quem experimentou a internet com conexão discada certamente conheceu algum provedor de acesso; entre os de maior destaque, podemos destacar o iG, o Terra (antigo ZAZ) e o UOL, por exemplo.

Na época da internet discada – cerca de 20 anos atrás, o provedor de internet era figura obrigatória na contratação do serviço. Naquele tempo, as operadoras de telefonia não podiam fazer o papel de provedores; regulamentos proibiam que as teles fizessem qualquer coisa além de telefonia. Assim, o provedor era indispensável para que fosse feita a autenticação do usuário. Mais do que isso, o provedor era também a camada que oferecia os protocolos necessários para navegar na web e utilizar os serviços oferecidos.

Desde 2013, a partir de um novo regulamento, a Agência Nacional de Telecomunicações acabou com a obrigatoriedade da contratação de provedores para realizar a conexão à internet. A partir de então, além de oferecer toda infraestrutura física de conexão (com cabos, rádios, modens, etc.) as operadoras passaram a ser obrigadas a prover também o serviço de acesso à web.

A banda larga chegou ao país no ano 2000. Hoje ela é responsável pela conexão de 97,7% dos lares com acesso à rede no Brasil; ou seja, a conexão discada só responde por 2,3% dos acessos.

E se para a banda larga a própria operadora pode oferecer o autenticador de conexão, no acesso discado ainda é necessária a presença de um provedor. A diferença é que agora a operadora é obrigada a oferecer o serviço completo de acesso à internet; ou seja, mesmo que um provedor seja necessário, este serviço não pode ser cobrado a parte.

Algumas operadoras, mesmo em serviços de banda larga, ainda optam por terceirizar a etapa do acesso com provedores. É uma decisão do modelo de negócio de cada empresa. O importante saber é que você, seja com conexão discada – que requer a presença do provedor – ou com banda larga – que o dispensa, não precisa pagar nada extra pela autenticação de acesso à internet.

 

O Crescimento da Internet

Segundo o Ibope Media, somos 105 milhões de internautas tupiniquins (10/2013), sendo o Brasil o 5º país mais conectado. Até 2015, o Brasil deve ser o 4º país mais conectado, ultrapassando o Japão. De acordo com a Fecomércio-RJ/Ipsos, o percentual de brasileiros conectados à internet aumentou de 27% para 48%, entre 2007 e 2011. O principal local de acesso é a lan house (31%), seguido da própria casa (27%) e da casa de parente de amigos, com 25%. O Brasil é o 5º país com o maior número de conexões à Internet.

 

A internet se tornou o terceiro veículo de maior alcance no Brasil, atrás apenas de rádio e TV. 87% dos internautas utilizam a rede para pesquisar produtos e serviços. Antes de comprar, 90% dos consumidores ouvem sugestões de pessoas conhecidas, enquanto 70% confiam em opiniões expressas online.

 

  •  Internet e seus Usuários Ativos

57,2 milhões de usuários acessam regularmente a Internet. 38% das pessoas acessam à web diariamente; 10% de quatro a seis vezes por semana; 21% de duas a três vezes por semana; 18% uma vez por semana. Assim, 87% dos internautas brasileiros entram na internet pelo menos uma vez por semana.

Segundo Alexandre Sanches Magalhães, gerente de análise do Ibope/NetRatings, o ritmo de crescimento da internet brasileira é intenso. A entrada da classe C para o clube dos internautas deve continuar a manter esse mesmo compasso forte de aumento no número de usuários residenciais.

 

  • Tempo de Navegação

Desde que esta métrica foi criada, o Brasil sempre obteve excelentes marcas, estando constantemente na liderança mundial. Em julho de 2009, o tempo foi de 48 horas e 26 minutos, considerando apenas a navegação em sites. O tempo sobe para 71h30m se considerar o uso de aplicativos on-line (MSN, Emule, Torrent, Skype etc). A última marca aferida foi de 69 horas por pessoa em julho de 2011.

Infográfico INTERNET

 

Internet Das Coisas – Tudo sobre e como ela vai facilitar seu trabalho

Já ouviu falar de internet das coisas (IoT)? Pois é, ela está chegando aos poucos e tomando conta do nosso dia a dia sem que possamos perceber. Vamos esclarecer aqui desde o principio do conceito passando pela utilização domestica e  empresarial.

 

Essa revolução da tecnologia moderna vem com o objetivo de conectar os itens usados do dia a dia à rede mundial de computadores. A Internet das Coisas, é uma rede que não para de crescer, cada vez mais os dispositivos do cotidiano vão aderindo a tecnologia, desde máquinas industriais até bens de consumo, nesse sentido podem compartilhar informações e concluir tarefas enquanto você está ocupado fazendo outras atividades, como trabalhando, dormindo ou se exercitando.

 

 

De onde vem e como surgiu a internet das coisas?

Desde 1991 com a disseminação da conexão TCP/IP a internet se popularizou, desta forma  a ideia de interligar objetos já era discutida. Foi criado então por Bill Joy que foi cofundador da Sun Microsystems o D2D ( device to device) um tipo de ligação que abrangeria varias webs. O termo intitulado de “Internet das Coisas” surgiu em 1999 por Kevin Ashton do MIT, exatamente apos 10 anos ele escreveu para o jornal RFID Journal um artigo chamado ” A Coisa da Internet das Coisas” e desde então suas usabilidades não pararam de crescer.

 

 

Existem três componentes que definem A Internet das Coisas (IoT):

 

  1. As coisas ou recursos.
  2. As redes de comunicação que as conectam.
  3. Os sistemas de computação, que usam os dados que fluem de e para as nossas coisas.

Com esta infra, objetos e recursos podem se comunicar uns com os outros e até mesmo otimizar as atividades entre eles com base na análise dos dados que são transmitidos pela rede.

 

De acordo com uma pesquisa recente da Unidade de Inteligência Economista (EIU), que mostra que 96% dos líderes de negócios esperam que seus negócios estejam usando Internet das Coisas, de uma forma ou de outra nesse ano de 2016. A Internet das Coisas também oferece muitas oportunidades para as pequenas e médias tal tecnologia não são apenas para grandes corporações.. Na verdade, investir em aplicações e tecnologia ao invés de mais pessoas, as PMEs e startups podem ser igualmente – ou até mais – competitivas, mesmo continuando pequenas.

 

IoT e sua aplicabilidade Residencial

Você já parou pra pensar como seria perfeito um mundo onde todas as coisas tivessem sinergia para fazer o que você precisa no tempo certo? Isso já esta acontecendo, imagina só como a internet das coisas poderia facilitar o seu cotidiano já pensou em quando estiver chegando em casa seu veiculo enviar um sinal para sua residencia e ligar o ar condicionado e cafeteira para quando você chegar o clima e o café estarem perfeitos a sua espera?

 

Sistemas de GPS, sistemas de alarme e termostatos – todos enviando e recebendo constantes fluxos de dados para monitorar e automatizar as atividades em nossos automóveis e residências. E o não tão óbvio? Pisos, xícaras, roupas e outros objetos cotidianos também podem ser conectados em rede para transmitir dados de e para a Internet.

internet das coisas 2

 

As empresas já estão cientes dessa oportunidade no mercado e estão acelerando o processo de conexões entre o máximo de itens que facilitem a nossa vida, esse novo mercado ira melhorar os serviços existentes e inspirar mudanças positivas. Vamos ver alguns exemplos do que já esta sendo feito no mercado dessa revolução tecnológica:

 

  • Soluções de transporte inteligente aceleram fluxos de tráfego, reduzem o consumo de combustível, priorizam cronogramas de reparo de veículos, e salvam vidas.
  • Redes elétricas inteligentes conectam de forma mais eficiente os recursos renováveis, melhoram a confiabilidade do sistema e seus consumidores são cobrados com base na eficiência da operação.
  • Monitoramento remoto da saúde fornece acesso conveniente aos cuidados de pacientes, aumentando sua qualidade e alcance, e economizando dinheiro.
  • Sensores em residências e aeroportos, ou mesmo sapatos e portas, melhoram a segurança enviando sinais quando estão fora de uso por um período de tempo determinado, ou se eles forem usados na hora errada.

 

Nos dias de hoje, são muitos os objetos conectados, como geladeiras, óculos, elevadores e carros. A rede pode intervir em pequenos gadgets ou em infraestruturas complexas. Pensando em toda essa usabilidade, vêm surgindo iniciativas, que envolvem empresas grandes, para unificar a Internet das Coisas. Na área da saúde surgem cada vez mais aparelhos com sensores sem fio e nanotecnologia que permitem medir a condição clínica dos usuários e enviam os dados a sistemas inteligentes capazes de capturar, analisar e guardar as informações em prontuários eletrônicos.

 

Alguns exemplos reais da tecnologia:

A Samsung, por exemplo, já lançou geladeiras inteligentes com tela LCD capazes de reproduzir a tela do smartphone do usuário no refrigerador. Com isso, o usuário pode reproduzir vídeos e músicas, consultar a previsão do tempo e até mesmo fazer compras online enquanto verifica na geladeira os itens que precisam ser comprados. O refrigerador traz ainda um aplicativo chamado Epicurious, que permite a consulta de receitas online.

 

A empresa D-Link apresentou no evento o mydlink “Smart Alarm Detector”, que ligado à tomada, possui um sensor ultrassensível para detecção de monóxido de carbono e fumaça. Se a residência estiver vazia e correndo riscos, o dispositivo envia imediatamente um alerta de incêndio no smartphone do morador para que ele possa acionar os bombeiros o quanto antes e minimizar os prejuízos.

 

Outro equipamento que foi destaque na CES 2016 é o “ETwater Unity”, um monitor inteligente, que quando conectado a um dispositivo móvel, indica o consumo atual de água na residência e estima a quantidade ideal para uso, a fim de aliar as necessidades dos moradores com um consumo consciente voltado à economia de água.

 

A Vivint apresentou um termostato com um sensor que verifica se os moradores estão em casa ou não, se estão dormindo, e automaticamente ajusta a temperatura interna ideal a partir das configurações definidas pelos usuários, garantindo maior conforto no ambiente e uma economia inteligente de energia, também controlada através de um simples toque na tela do celular.

 

Mitsubishi é uma das fabricantes que também está trabalhando duro para desenvolver um carro verdadeiramente autônomo. O EMIRAI3 xAUTO foi oficialmente apresentado durante o Tokyo Motor Show 2015. O veiculo possui uma espécie de radar de baixa frequência e alta resolução é capaz de detectar e reconhecer objetos ao redor. Utilizando mecanismos de inteligência artificial, o carro consegue interpretar cada obstáculo e agir conforme a situação. Além disso, sensores estimam a posição do veículo em relação à pista e mantêm o carro dentro do perímetro correto para a sua faixa.

 

 

IoT e sua aplicabilidade Comercial / Industrial

 

Na área de indústria e comercio a Internet das coisas está ligada a praticamente todos os setores e segmentos.  Vamos falar um pouco de cada para que vocês possam ter uma ideia de como ela pode ser utilizada podendo reduzindo custos, agilizando processos e melhor atendendo as pessoas.

 

Design e Marketing de Produto – Sensores podem reportar exatamente onde, quando e como um produto é usado para ajudar em processos de design e marketing. O processo de coleta de dados em tempo real pode ter um custo menor, ser mais rápido e mais preciso que pesquisas com o consumidor e pesquisas de mercado. Os clientes estão no centro das atenções na IoT no varejo, para o qual algumas empresas estão estudando maneiras de coletar e processar dados de milhares de clientes enquanto eles trafegam entre lojas. Essa estudo de processamento de dados informada pela leituras e vídeos dos sensores considera quanto tempo os compradores se detêm em vitrines individuais, registrando o que eles acabam comprando.

 

Com o objetivo de otimizar o layout da loja, esses pontos de dados também podem ser ligados a redes Wi-Fi de dispositivos inteligentes. Além de direcionar adequadamente os compradores para promoções nas lojas, os varejistas podem perguntar as opiniões de clientes – utilizando dados da IoT para iniciar uma interação, personalizando a experiência de compra e aumentando a fidelidade.

 

Manutenção de Produto – Informação sobre desgaste de componentes pode ajudar a cortar custos de manutenção e operação, além de identificar potenciais falhas de equipamento antes que quebrem completamente. Por exemplo, se uma máquina quebra durante uma impressão o dano financeiro é bem alto incluindo o custo do envio de técnicos para reparos emergenciais, assim como a perda de confiança do consumidor e possíveis penalidades por atraso na entrega. Ao sentir vibrações ou indicações de calor que possam indicar potenciais problemas nos equipamentos, os técnicos podem ser enviados proativamente para prevenir a falha no equipamento.

 

Vendas de Produtos – Monitorando a condição e o uso de componentes conectados, PMEs podem prever quando consumidores precisarão de peças de substituição e garantir que tenham os produtos certos disponíveis no inventário. Vendas proativas de partes de reposição podem também prevenir perda de receita para outros vendedores.

 

Engenharia de Produto – Monitorar condições das máquinas, configurações e uso pode resultar em ajustes que podem melhorar escolhas de materiais e de design.

 

Logística – Sensores em grandes contêineres de entrega podem receber dados em tempo real sobre onde está um pacote, qual a frequência de manuseio e qual sua condição. Ao conectar esta informação com o sistema de gerenciamento do depósito, empresas podem aumentar sua eficiência, acelerar o tempo de entrega e melhorar o atendimento ao consumidor.

 

Processos de Fabricação – Ao monitorar a condição, as definições e o uso do equipamento de produção, os problemas que impactem os níveis de saída podem ser identificados para ativar ações de correção e aumentar o tempo de funcionamento e a eficiência. Mitsubishi Electric Corporation e Intel, estão trabalhando em conjunto para desenvolver um complexo sistema de automação industrial totalmente baseado nesse novo conceito. Ele seria capaz de reduzir sensivelmente os custos dos processos produtivos, em todas as suas etapas, permitir a correção de processos repetitivos ou falhos, além de garantir muito mais rapidez na fabricação de produtos ou oferecimento de serviços. A grande jogada da Internet das Coisas na indústria não é simplesmente inserir inteligência em objetos comuns, sim interligar todos os maquinários que compõem um parque industrial e reconfigurar por completo suas funções, permitindo aos gestores enxergarem de forma antecipada o mínimo sinal de perda de produtividade ou falhas nos processos operacionais.

 

Manutenção de Frota – Sensores podem ser usados para monitorar velocidade, quilômetros por litro, quilometragem, número de paradas e saúde do motor para frotas de serviço de campo. Ao monitorar a condição do veículo e problemas de uso, reparos podem ser agendados evitando interrupções inesperadas na logística, comportamentos que diminuam a eficiência do combustível podem ser identificados e dicas de condução customizadas podem ser distribuídas. Além de diminuir os custos do combustível, manutenção e condução mais eficientes podem diminuir emissões de CO² e aumentar a expectativa de vida dos veículos.

 

Transporte – As Empresas podem oferecer serviços baseados em aplicações de Internet das Coisas para promover a tendência de cidade inteligente. Por exemplo, Barcelona oferece parquímetros inteligentes que operam através de Wi-Fi na cidade toda, fornecendo aos moradores atualizações em tempo real sobre vagas disponíveis e permitindo que paguem com seu próprio telefone. Pontos de ônibus inteligentes exibem os horários de chegada de forma precisa e possibilitam que os passageiros recebam atualizações adicionais em tempo real através de painéis touch screen

 

Agricultura – Sensores podem ser usados para monitorar temperatura do ar, do solo, velocidade do vento, umidade, radiação solar, probabilidade de chuva, umidade das folhas e coloração das frutas. Agricultores podem melhorar seus rendimentos utilizando estes dados para ajustar fatores como horários e quantidades de irrigação e períodos de colheita.

 

Medicina – Usando Internet das Coisas, os médicos e hospitais podem coletar e organizar dados vindos de dispositivos médicos conectados, incluindo wearables e monitores de saúde instalados nas casas. Ao coletar dados em tempo real, profissionais da medicina têm dados mais completos de seus pacientes, melhorando o atendimento através de diagnósticos e tratamentos mais eficazes.

 

 

No Brasil, o escritório do W3C, responsável pela criação do World Wide Web, a navegação padronizada por browsers, busca difundir a ideia de Internet das Coisas. O órgão é ligado ao Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br). Eles desenvolveram vídeos de divulgação do conceito em nosso país. Confira abaixo:

 

 

 

 

Conclusão

 

A internet das coisas vem com tudo e com força. A necessidade de uma conexão de internet segura e estável é o fator principal para que a IoT funcione. Todas as funcionalidades são lindas de se ver e ótimas para o dia a dia, mas sem uma boa banda de internet nada disso sera possível.

 

A Internet Das Coisas tornara o mundo refém de uma conexão com a internet isso é inevitável, ela estará presente de uma forma tão intensa e natural no nosso dia a dia que não conseguiremos ficar sem . Se hoje você não consegue largar seu Smartphone em casa imagine daqui a alguns anos onde toda a sua casa, escritório e carro dependera dele e da internet pra funcionar, tudo sincronizado na palma da sua mão onde você estiver. Já parou pra pensar? Pois é ela esta chegando.E você esta preparado?

 

Referencias: Forbes | Wired

 

 

Internet Empresarial – Quando você precisa de uma?

Mas não sabe como fazer para dar uma guinada nas vendas? Talvez a solução seja mais simples do que imagina, internet empresarial, tudo que precisa é começar a ter presença on-line. Vivemos o momento da IoT, e o consumo de recursos de internet aumenta de forma muito relevante.

 

Este fenômeno gera um efeito transformador na forma como nos relacionamos com tecnologia, produtos, modelos de vendas e marketing, além de gerar receitas adicionais a produtos e serviços.

 

A internet é importante para todos os segmentos, porém, no caso de empresas ela tem um papel extremamente estratégico atualmente, pois elas dependem de posicionamento, marketing, canais de comunicação, entre outros, e a internet parece representar muito bem tudo isso.

 

Mas será que as empresas estão usando corretamente todo esse potencial que a grande rede oferece?

A importância da internet empresarial é singular, saber tirar proveito dela tem sido um desafio para os atuais gestores. Com o grande avanço da tecnologia, cada vez mais pessoas têm aproveitado essa comodidade para realizarem suas pesquisas e efetivarem suas compras, comprovadamente o hábito de consumo das pessoas tem migrado para o mundo on-line.

 

Ao abrir seu negócio, são necessárias várias escolhas importantes. Uma delas, que não pode ser deixada de lado, é o plano de internet que irá contratar para sua empresa. As opções são variadas para atender diferentes perfis de empresários.

 

Neste artigo iremos abordar o porquê e cada uma das várias opções que você pode escolher no mercado para ajudar sua empresa a alcançar todo seu potencial.

 

Redução de custos

 

A importância da internet empresarial não é voltada apenas para a oportunidade de vendas, mas principalmente pela possibilidade de redução de custos. Entre os itens que podem gerar redução de custos com o uso de internet, estão:

 

  • Redução de custos com telefonia;
  • Redução de custos com comunicação impressa, como: folders, mala direta, catálogos, entre outros;
  • Redução de custos com equipes de vendas;
  • Em diversas outras áreas, é possível obter redução de custos com o auxílio da internet.

Acompanhar tendências do mercado

 

Este é um ponto onde a importância da internet nas empresas se destaca. Ficar para trás, perder o bonde, não acompanhar o mercado é algo que não interessa a nenhuma empresa e para não correr o risco que ficar defasado no mercado, muitos tem usado a internet para acompanhar tendências do mercado ou analisar as estratégias dos concorrentes.

 

Novos mercados geográficos

 

Melhor dizendo, novos mercados sem geografia. A internet permitiu e permite que empresas possam atender mercados distantes e inatingíveis se não fosse por esse canal. Vender na sua cidade, em outro estado ou até fora do Brasil acaba tendo pouca diferença para muitas empresas na internet, já que os custos de operação variam muito pouco e o acesso aos produtos e serviços acaba sendo o mesmo para quem está na mesma cidade ou em outro país.

 

Fácil acessibilidade

 

Já imaginou seus produtos ou serviços disponíveis para os clientes durante 24 horas? É isso que acontecerá com sua empresa quando ela estiver na internet. A presença on-line permite que seus potenciais clientes acessem as informações sobre você a qualquer hora ou lugar. Já pensou nisso? Eles não precisarão esperar sua loja abrir para adquirir o que necessitam. Assim, sua empresa poderá gerar vendas continuamente, no momento em que a pessoa sentir o desejo de comprar aquilo que você oferece.

 

Interatividade com o cliente

 

A construção de uma marca não se faz da noite para o dia.

 

Por isso, a interatividade que a internet empresarial oferece é mais do que importante para que seu cliente possa não só adquirir seus produtos, mas interagir com sua empresa.

 

Talvez o cliente tenha apenas passado pelo seu site para fazer uma pesquisa sobre algo de seu interesse e nesse momento ele pode aproveitar os canais disponíveis para deixar seus comentários ou dúvidas, dando a chance a você de retornar esse contato e formar uma boa impressão da sua empresa. O feedback é uma excelente estratégia para gerar maior confiança do cliente em relação ao seu negócio, além de ser a sua chance de fazer uma futura venda.

 

Aumento da audiência

 

Manter-se presente on-line é uma forma de alcançar as pessoas em qualquer parte do mundo se quiser, mas caso deseje, é possível oferecer seus serviços apenas localmente e o marketing digital oferece várias ferramentas para isso. O importante é saber que você não está confinado a uma só alternativa de divulgação. O mundo na web não tem fronteiras e essa pode ser sua chance de aparecer e se tornar conhecido onde e como quiser obtendo uma internet empresarial.

 

Soluções de dados

 

Internet Banda Larga

O termo banda larga pode apresentar diferentes significados em diferentes contextos. A recomendação do setor de Padronização da UIT define banda larga como a capacidade de transmissão que é superior àquela da primária do ISDN a 2 ou 5 Megabits por segundo.

 

Tecnologias

 

ISDN (também conhecida por RDIS)

Utilizam as redes de telefonia convencionais para transmitir dados em alta velocidade que variam de 64 a 128 Kbps (ISDN). No Brasil foi conhecido por conexão ou link dedicado, mas foi superado pelas redes ADSL, mais usadas atualmente.

Para uma rede de telefonia transmitir dados através destas tecnologias, ela precisa ser 50% digital além das companhias de telefone adaptarem uma aparelhagem que viabilize a conexão. Requer do usuário um modem apropriado. É possível ampliar esta tecnologia desde que as redes sejam substituídas por cabo de fibra óptica.

 

ADSL

ADSL é a sigla para Assymmetric Digital Subscriber Line ou “Linha Digital Assimétrica para Assinante”, um tipo de conexão ADSL que permite a transferência digital de dados em alta velocidade por meio de linhas telefônicas comuns.

 

É o tipo de conexão à internet em banda larga mais usado no Brasil e um dos mais conhecidos no mundo, tem a característica principal de que os dados podem trafegar mais rápido em um sentido do que em outro.

 

É por causa dessas características que o ADSL ganhou o termo “assymmetric” (assimétrica) no nome, pois indica que a tecnologia possui maior velocidade para download e menor velocidade para upload. A grande vantagem do ADSL é que o usuário é conectado ponto a ponto com a central telefônica, sem precisar compartilhar sua linha com outros usuários, contrariamente ao modem a cabo.

 

O modem ou roteador ADSL pode ser ligado ao computador via uma placa ethernet, através de uma porta USB ou ainda em modo wireless (sem fio).

 

A tecnologia ADSL divide a linha telefônica em três canais virtuais:

 

  1.       Para voz;
  2.       Para download (de velocidade alta); e
  3.       Para upload (com velocidade média se comparado ao canal de download).

As empresas que fornecem ADSL só o fazem se o local do usuário não estiver a mais de 5 Km da central telefônica, em virtude de quanto mais longe estiver, menor será a velocidade que o usuário pode ter e a conexão sofre instabilidades ocasionais, pelo ruído (interferência) que ocorre entre um ponto e outro. Quanto maior essa distância, maior é a taxa de ruído. Para que haja uma conexão aceitável é utilizado o limite de 5 Km. Acima disso pode ser possível, mas inviável o uso de ADSL.

 

Modem a cabo (Cable Modem)

Esta tecnologia, também conhecida por Cable Modem, utiliza as redes de transmissão de TV por cabo convencionais (chamadas de televisão a cabo – Community Antenna Television) para transmitir dados em velocidades que variam de 70 Kbps a 150 Mbps, fazendo uso da porção de banda não utilizada pela TV a cabo.

 

Internet Link Dedicado

O link dedicado é um serviço oferecido por operadoras de telefonia, data centers e provedores. A principal diferença entre ele e a internet banda larga comum é na velocidade de conexão: a do link dedicado é muito maior do que as velocidades oferecidas pelos planos de internet banda larga. Além disso, o serviço de link dedicado possui muito mais estabilidade do que a banda larga comum e entrega a velocidade estabelecida em contrato.

 

Como já foi mencionado, a velocidade e a estabilidade do serviço de link dedicado são muito superiores às da banda larga comum. Outra vantagem do link dedicado é que, diferentemente da banda larga, a velocidade da conexão não varia de acordo com o número de usuários conectados. Além disso, o link dedicado permite a criação de servidores internos e serviços específicos de criptografia.

 

Por outro lado, o serviço de link dedicado tem um custo mais elevado que o da banda larga comum e a sua instalação é mais demorada, além de ele exigir uma manutenção mais complicada. Além disso, os contratos para a aquisição de um link dedicado costumam ser bem mais longos que os de banda larga. Justamente por isso, ele só é disponibilizado para pessoas jurídicas.

 

Internet Empresarial

 

Podemos ver melhor as tecnologias hoje oferecidas pelo mercado e nós da Città Telecom oferecemos a melhor internet empresarial para negócios de qualquer tamanho assim como residência.

 

Aprendemos também a importância da sua empresa estar bem conectada nos dias atuais, onde precisamos estar em dia com as tecnologias, noticias e etc

 

Entre em contato com nossa central, 3400-5000 e/ou entre em nosso site www.cittatelecom.com.br – Conheça todos os nossos pacotes para sua empresa voar na internet.