Tudo sobre o mundo da internet e suas novidades – Blog Città Telecom

Velocidade de interconexão deve triplicar até 2021

Velocidade de Interconexão: Quem pegou os tempos de internet discada – em que a gente precisava esperar até meia noite para navegar sem adicional na tarifa de telefone – talvez não imaginasse que, um dia, conseguiríamos navegar com tanta facilidade. Hoje, nós podemos realizar diversas operações simultaneamente, resolver nossas principais pendências e entrar em contato com o mundo todo a qualquer hora do dia.

 

Esse upgrade beneficiou diretamente as empresas, que cada dia mais adotam a tecnologia como braço direito e dependem tanto de se conectar com inúmeras pessoas e lugares para concretizar os negócios. Mas se você acha que isso já é o auge, saiba que a tendência é melhorar ainda mais.

 

Segundo o estudo Global Interconnection Index Volume 2 (GXI Vol. 2), realizado todo ano pela Equinix, uma das maiores provedoras mundiais de data center IBX e colocation, o tráfego de Interconexão mundial deve triplicar até 2021.

 

A Interconexão consiste em uma troca de dados de forma privada e direta entre companhias. Através de uma rede global, uma empresa pode se conectar a qualquer instante e com toda segurança com seus funcionários, parceiros e clientes.

 

Vista como o maior resultado da transformação digital que tem acontecido no mundo dos negócios, ela é uma forma de facilitar a comunicação e garantir muito mais agilidade na concretização das demandas. Especialistas acreditam que a Interconexão é a solução mais eficaz para uma real integração entre os meios físico e virtual. Além disso, essa estrutura proporciona segurança cibernética e uma possibilidade de ampliação do ecossistema de um modelo de negócios.

 

Em 2018, a Velocidade de Interconexão atinge a marca de 2.481 terabits por segundo, mas a expectativa é que em três anos, este número chegue a 8.214 Tbps. Esse aumento representa, em média, uma alta de 48% ao ano durante o período de 2017 a 2021. O número é quase duas vezes maior que a taxa de crescimento de 26% do tráfego IP global, relacionado à velocidade de Internet. Estima-se, também, que 71% dessa velocidade mundial seja utilizada por empresas de telecomunicação.

 

Atualmente, a América Latina conta com a menor velocidade de Interconexão no mundo. No entanto, é a área que mais deve ser impactada com este crescimento global. Até 2021, a largura de banda na região pode alcançar 755 terabits por segundo, o que representa um crescimento de 59% em relação à conexão atual.

 

Em seguida no ranking, aparecem os Estados Unidos. Com um aumento estimado em 45%, a velocidade de Interconexão do país chegará a 3.318 Tbps por segundo daqui a três anos. Tamanho crescimento pode ser justificado, não somente pelo pioneirismo da nação quando se trata de negócios digitais, mas também pelo fato de sediar as maiores empresas de tecnologia do mundo.  

 

Para o Brasil, as projeções são igualmente positivas. A previsão é que a velocidade de interconexão no Rio de Janeiro e em São Paulo – cidades que abrigam seis dos 200 data centers do mundo – aumente em sete vezes. A capital paulista é onde acontecerá o maior crescimento em toda a América Latina: 64% de crescimento anual. Na capital carioca, a expectativa é de 60%.  

 

O mundo está melhorando constantemente sua forma de se conectar e sua empresa não pode ficar pra trás. Você precisa contar com uma conexão segura, veloz e estável, que te ajude de fato a implementar a tecnologia no seu modelo de negócios.

 

A Città possui fibra até o data center da Equinix, empresa que realizou o estudo citado neste artigo. Essa parceria garante acesso mais rápido aos nossos usuários, utilização diferenciada nos principais provedores de conteúdo e conexão direta nas principais Clouds Privadas, que garantem segurança de acesso e controle de dados para empresas.

Por isso, nós, da Città Telecom, nos colocamos à sua disposição! Temos planos de internet e telefonia que garantem qualidade, segurança e toda a velocidade que você contratou!

Precisa de ajuda para entender melhor? Solicite a visita de um Consultor Especializado Città agora mesmo.

Por que provedores estão migrando para a tecnologia GPON e por que você também deveria!

Muitos provedores de serviços de internet vêm adotando em suas estruturas de rede a tecnologia FTTX.

 

Principalmente por causa de vantagens como: maior capacidade de transmissão, menor interferência no sinal e consumo de energia, maior flexibilidade e tantos outros benefícios, tornam esse tipo de tecnologia uma ótima escolha. Principalmente para provedores regionais.

Provedores de serviços de internet (ISP’s) regionais estão tendo cada vez mais confiança na tecnologia de fibra óptica, principalmente quando o assunto é a tecnologia PON.

Nesse tipo de tecnologia observamos, principalmente no ano de 2015, um aumento considerável no uso do GPON sobre o EPON.

Enquanto o EPON oferece benefícios interessantes em um primeiro momento, suas limitações acabam gerando custos e incômodos que seriam facilmente evitados caso o provedor tivesse adotado o GPON.

Em uma pesquisa, onde cerca de 120 empresas foram entrevistadas, 70% das marcas optaram por usar o padrão GPON e cerca de 98% agrega o serviço de internet em suas estruturas. Esses números apenas reforçam o argumento acima.

 

 

Ainda está com dúvidas? Não se preocupe!


Preparamos para você uma lista que elenca os principais motivos que estão fazendo provedores de serviços de internet adotar o padrão GPON.



1 – Estão oferecendo mais qualidade para os seus clientes com a tecnologia GPON.

A tecnologia GPON por ser uma versão mais robusta, possibilita aos provedores entregar mais qualidade para os seus clientes.


Isso através de uma gestão de rede mais eficaz e completa, que permite ao provedor ter um controle maior sobre a sua estrutura, entregando assim maior estabilidade nos dados enviados e uma maior agilidade na resolução de conflitos que possam surgir.



Esse é um fator importantíssimo!


Principalmente em um mercado competitivo como o de provedores. Ofertando qualidade você melhora a sua retenção e a sua aquisição de clientes, provando que os seus clientes fizeram a escolha certa ao contratar os seus serviços.



2 – Estão gastando menos com manutenção

A longo prazo, as vantagens de se optar por um padrão de rede GPON começam a atingir o bolso também. Mas de maneira positiva!


Em comparação a outros padrões menos robustos, como o EPON, a tecnologia GPON conta com OLT´s que conseguem atender até 64 ONU’s de forma efetiva, garantindo a estabilidade no serviço, facilitando a manutenção, espaço e aquisição de novos equipamentos.

 

 

3 – Estão otimizando a sua estrutura



Provedores estão otimizando suas estruturas de rede ao implementar o modelo GPON.


Essa otimização é uma simples consequência, porém de grande impacto, devido a uma das principais características da rede GPON:


Sua robustez em relação a outros padrões.  Com a gestão centralizada e flexível que a rede GPON dispõe, o seu provedor de serviços de internet (ISP) tem um controle total da eficiência e do comportamento da sua rede.




4 – Estão se preparando para crescer

Ao adotar uma rede GPON, o provedor já tem o intuito de crescer, ou já está em fase de crescimento e está sentindo as limitações que outros padrões impõem ao provedor.


Mesmo com os custos de implementação de um  padrão como o EPON por exemplo, sendo mais convidativos em um primeiro momento, eles costumam não acompanhar o crescimento do negócio.


Ao ter em mente os seus objetivos de crescimento e os fatores necessários para alcançá-los, a decisão de escolher o padrão GPON fica mais do que óbvia.

 

Conclusão

 

 

Há pesquisas e mais pesquisas por aí que indicam as vantagens técnicas de usar o padrão GPON em sua estrutura de rede FTTX.



O objetivo desse artigo foi mostrar as coisas de um ponto de vista voltado para negócios, ou seja, percepções que vão ajudar você a encontrar oportunidades nesse mercado tão competitivo.

Rede GPON: economia para o seu negócio e benefícios para o cliente

Quando as limitações do EPON começam a afetar na qualidade da entrega do serviço que o provedor está oferecendo ao usuário, o reflexo negativo recai sobre o caixa da sua empresa.

 

Para garantir a qualidade do serviço prestado e fazer com que os seus objetivos e as necessidades dos seus clientes sejam atendidos de forma plena, a escolha da tecnologia ideal para a rede do seu negócio irá sofrer a influência de alguns fatores que precisam ser considerados.


Segundo dados apresentados pela Anatel, a banda larga fixa voltou a crescer no mês de março/2016, porém, de forma lenta, tendo 210,1 mil novos acessos, equivalentes a 1,240 milhões a mais de conexões, considerando o período de 12 meses.

Os provedores de serviços de internet (ISPs), totalizaram 2,413 milhões de acessos fixos, mantendo-se como o quarto maior grupo do mercado.

A banda larga fixa brasileira tende a conexões mais velozes,  a tecnologia de fibra óptica registrou 32,8 mil adições (2,49%), totalizando 1,348 milhões de linhas, um dos maiores crescimentos proporcionais em 12 meses (29,40%).

A tecnologia de uma rede GPON abriu novas oportunidades, pois reflete diretamente as necessidades de operadoras e clientes, por permitir o desenvolvimento de uma rede óptica  centralizada, de alto desempenho e com uma excelente entrega de serviços.

Cada vez mais, empresas procuram por provedores de internet que permitam o uso de uma ferramenta robusta, segura, de alta velocidade e que garanta  segurança, alto desempenho e  confiabilidade na entrega do serviço oferecido.

Para atender esta necessidade, as redes de fibra óptica ganham destaque e a rede GPON é a que apresenta um maior crescimento por ser uma das tecnologias mais avançadas presentes hoje no mercado. Confira alguns dos benefícios!

  • Até 80% na redução de custos operacionais (considerando manutenção e deslocamento);
  • Vida longa! Redes FTTx possuem aproximadamente 30 anos de vida útil;
  • Economia de espaço em até 90% devido a facilidade de instalação em locais apertados, ocasionando consequentemente uma redução significativa na quantidade de equipamentos de rede;
  • Economia de energia, já que os únicos equipamentos ligados a rede elétrica são os da ponta de rede, todo o meio da rede é passivo;
  • Suas operações são simplificadas e facilitadas, pois a visualização e gerenciamento de todos os elementos da rede pelo OLT, é feito através de um gerenciamento robusto e centralizado;
  • Imunidade à oxidação e interferência eletromagnética, ideal para  instalações próximas a redes elétricas ou em locais com altos índices de descargas atmosféricas;
  • Criptografia de dados;
  • Longo alcance com um enlace de até 20km, dispensando o uso de equipamentos elétricos, amplificadores ou repetidores de sinal;
  • Tecnologia com taxas de transmissão síncronas de até 2,5 Gbps;
  • Permite a construção de anel óptico com velocidade de 10 Gbps;
  • Ponto-multiponto com suporte para até 64 usuários.


Entregue qualidade a seus clientes!

A tecnologia GPON, possui uma arquitetura completa de serviços de banda larga, o que pode possibilitar um  aumento na qualidade do serviço para o cliente final, que exige um bom desempenho em itens como: eficiência, segurança e maiores velocidades de banda nas redes de acesso.


Conclusão

Com o crescimento da demanda relacionada a banda larga, a tecnologia de uma rede GPON mostra ser a solução mais viável por acompanha as novas tendências de mercado e possui a melhor relação custo/benefício.

Dica de navegador para você utilizar a internet com mais segurança

Todo cuidado é pouco quando o assunto é segurança na internet. Com a ação cada vez mais frequente de hackers, tornar-se uma vítima de crimes virtuais é mais fácil do que se imagina.

Um bom antivírus instalado, senhas de combinações variadas e boas práticas de navegabilidade ajudam a ficar longe de ações maliciosas, mas isso ainda não é o bastante.

Escolher um bom navegador também faz toda a diferença.

Diversos browsers disponíveis no mercado são preparados exclusivamente para proteger você e seus dados de ataques maliciosos. Quer saber quais são eles? Então, continue a leitura desse post!

Avira Scout

avira_logo_big

O Avira Scout foi criado com foco na segurança e privacidade. O navegador utiliza o banco de dados do Avira para alertar sobre sites perigosos e bloquear scripts indesejados. Além disso, tem como base a mesma plataforma do Chrome, o que facilita a navegação.

O sistema ainda criptografa a comunicação entre navegador e servidor e evita que sites maliciosos rastreiem você. O download é gratuito para Windows.

Comodo IceDragon

 

icedragon-web-browser

Outra opção é o Comodo IceDragon, um navegador que utiliza o Mozilla Firefox (apontado como um dos browsers mais seguros da internet) como suporte. Segundo seus desenvolvedores, o sistema escaneia a web constantemente em busca de vírus enquanto o usuário navega.

 

A ferramenta é rápida, fácil de usar e leve para computadores. Também oferece privacidade e discrição aos usuários que desejam entrar em sites que não parecem seguros, através de um app que possui a sua própria ferramenta de VPN chamada de Comodo SecureDNS.

Avast SafeZone

avast

 

Quem conta com o antivírus Avast Internet Security também pode ter acesso ao navegador Avast SafeZone, uma alternativa interessante para aumentar a segurança enquanto você navega.

 

Conta com um bloqueador de anúncios eficiente, capaz de excluir propagandas visíveis, deixar a navegação mais ágil, sem que você perceba.

É indicado principalmente para quem realiza transações bancárias online, por oferecer o botão “Modo de pagamento”, que promete proteger os dados de cópias maliciosas.

Epic Privacy Navegador

Epic

 

Com o Epic Privacy Browser você tem garantia de proteção e privacidade ao navegar na internet. O sistema, que também é baseado no Chromium, promete que o usuário não será rastreado de nenhuma forma conhecida.

 

Ele bloqueia automaticamente propagandas, possíveis rastreadores e produz um relatório com diversas informações para consulta. O que mais o diferencia de outros navegadores, é sua ferramenta que mostra quais trackers estão ativos em outros navegadores instalados em seu PC.

Gostou das nossas dicas? Então compartilhe!

COMUNICAÇÃO UNIFICADA: MAIS PRODUTIVIDADE E MENOS CUSTO

 

Antes apontado como uma tendência, o trabalho remoto já vem se tornando uma  necessidade em muitas corporações.

 

Dependendo do cargo e da função  executada, é necessário ter à disposição as ferramentas para trabalhar de  qualquer lugar, por meio do dispositivo mais conveniente e ainda tendo acesso à  rede da empresa. Esse pode ser um grande diferencial entre fechar ou não uma  venda, por exemplo.

Se você está buscando soluções para implementar esse cenário na sua empresa  é a hora de entender mais sobre comunicação unificada com acesso e  gerenciamento via cloud computing.

 

Comunicação Unificada: O futuro é agora!

 

A nova geração de profissionais demanda por formas diferenciadas de trabalho.

 

Prova disso é o modelo BYOD (Bring Your Owner Devices), em que os  funcionários utilizam os próprios aparelhos, como smartphone, notebook, tablets,  para acessarem informações corporativas e até mesmo executarem o trabalho.

Diante disso, contar com soluções de comunicação unificada hospedada na  nuvem é um grande diferencial para permitir o acesso multiplataforma e aumentar  produtividade.

Segundo a consultoria IDC, o cloud computing deve manter uma taxa de  crescimento em 50% nos próximos anos, visto à preocupação das empresas em  alocar sistema e dados na nuvem.

 

 

Mais agilidade e facilidade no processo de comunicação

 

Esse tipo de tecnologia possibilita o uso de um único sistema para controlar todos  os meios digitais de comunicação, permitindo que haja apenas uma interface de  gerenciamento, com a integração do arquivamento e backup.

Além disso, embora a estratégia de comunicações unificadas necessite de um  investimento inicial em novos equipamentos, o custo benefício final é muito  vantajoso e a longo prazo ocorre uma importante economia na gestão.

 

Redução de custo fixo

 

Se você optar pela adoção de uma solução de tecnologia IP, por exemplo, os  serviços funcionarão via internet, o que vai reduzir drasticamente o número de  linhas contratadas e, consequentemente, o valor da conta. Além disso, também é  possível direcionar as ligações feitas pelo celular para a central do PABX, o que  ocasiona redução de despesas.

O mesmo acontece com a escolha das tecnologias de áudio e  videoconferência.  Ao adquirir esse sistema você economiza com reembolsos de transportes e  hospedagem e ainda melhora a qualidade de vida dos funcionários, evitando  inclusive o risco de acidentes e violência no trânsito das grandes capitais.

Dicas – Segurança Online

Sai ano, entra ano e a preocupação com a Segurança da Informação só aumenta. A cada dia surgem novos tipos de ameaças cibernéticas e acompanhá-las, além de se proteger delas, tem sido um baita desafio!

 

No entanto, a prioridade das empresas é exatamente essa e não podia ser diferente: a segurança dos seus dados de uma organização está em primeiro lugar.

 

A popularização dos smartphones e tablets resultou em um movimento…

 

Conhecido como BYOD (Bring Your Own Device), que é o uso de dispositivos pessoais no ambiente de trabalho, possibilitando ao funcionário realizar suas atividades de qualquer lugar.

 

Se por um lado esse conceito pode trazer mais produtividade, por outro lado pode trazer também ameaças cibernéticas e tornar vulnerável a rede corporativa. É neste cenário que entra a importância das empresas em estabelecerem políticas de segurança para proteger a sua rede e conscientizar seus colaboradores sobre as responsabilidades no ambiente corporativo.

 

No trabalho ou em casa, a internet e os dispositivos móveis nos proporcionam facilidades, segurança é a chave!

 

Estamos em um momento em que fazemos tudo, ou quase tudo, pela internet.

 

Difícil encontrar alguém que ainda saia para comprar um presente, por exemplo, pois as vantagens da internet são muitas, como evitar o trânsito; não precisar procurar vaga e/ou estacionamento; e o melhor: não precisa enfrentar filas para comprar e pagar suas compras. Mas de que adianta essa facilidade se você estiver colocando em risco os seus dados?

 

Em uma pesquisa recente, realizada pela Symantec, detectou-se que o volume de spams e a posição do Brasil em rankings de ataques cibernéticos caíram, em compensação o volume de informações pessoais roubadas aumentaram e muito, em 2012 foram 93 milhões de dados roubados e em 2013, esse número saltou para 552 milhões!

 

Para os usuários finais listamos algumas dicas que podem ajudar a proteger seus dados e, consequentemente, se utilizam seus dispositivos nas empresas, também ajudará a trazer mais segurança e tranquilidade para o ambiente corporativo, são elas:

 

  • Fuja de software suspeito;
  • Bloqueie os pop-up;
  • Cuidado ao clicar em links compartilhados nas redes sociais;
  • Mantenha seu antivírus e todos os serviços de segurança atualizados;
  • Assista a vídeos em sites conhecidos;
  • Não armazene senhas no seu navegador;
  • Altere suas senhas pessoais de vez em quando.

 

E lembre-se! Presentes gratuitos online não existem!

 

Rede Wi-Fi Indoor – Como projetar?

Planejamento de uma Rede Wi-Fi Corporativa

 

Veja quais são os pré-requisitos para se elaborar uma rede Wi-Fi da forma mais adequada. A visão de planejamento é focada em projetar uma rede WiFi, onde a maioria das pessoas que não sabem sobre o assunto e muitas vezes nem se preocupam em buscar informações, podem melhorar as aplicações de suas empresas.

 

Análise de Site Survey para uma Rede Wi-Fi

 

Um Site Survey é composto por todos os serviços relacionados a análise e recomendações, baseadas em vistorias on-site, para validação técnica de projetos de implementação.

 

 

Este serviço inclui as seguintes atividades:

 

  1. Análise do projeto de implementação.
  2. Identificação de sites envolvidos, agendamento das visitas e obtenção de autorizações de entrada nestes sites para os profissionais responsáveis pelas atividades de campo.
  3. Realização de vistorias em campo e elaboração do projeto provisório de instalação, com base nos relatórios de vistoria.
  4. Apresentação do resultado da análise, recomendações e validação do projeto provisório de instalação e atualização da documentação de projeto.
  5. As análises e recomendações podem envolver cabeamento, energia, climatização, condições ambientais, segurança, etc.

 

A qualidade dos serviços é assegurada através de processos consolidados, desenvolvidos para gestão de processos de testes e aceitação de serviços de implementação e da sólida formação, capacitação e experiência de seus profissionais e parceiros certificados.

 

Benefícios do planejamento de uma Rede Wi-Fi

 

  • Maior assertividade no planejamento de projetos de implantação.
  • Garantia que os equipamentos são instalados de acordo com as especificações, minimizando pendências na implantação ou riscos para a sua operação e manutenção.
  • Otimização de equipamentos e recursos.
  • Menor tempo de instalação dos equipamentos.

 

O que é necessário apresentar ao cliente para uma Rede Wi-Fi

 

  • Especificação do ambiente e das instalações.
  • Relatório com as recomendações técnicas aplicáveis.
  • Atualização da documentação associada, incluindo revisão do Projeto Provisório de Implantação (PPI).
  • Proposta da rede ativa (equipamentos).
  • Planejamento da rede Física (disposição e projeto executivo).
  • Planejamento da Rede Lógica.
  • Serviços aplicáveis e controles, tais como DHCP, QoS, Isolação lógica, etc.

Desafios para transformar o mercado com a Internet das Coisas

O potencial da Internet das Coisas para transformar o mercado de data center, em seus clientes, fornecedores, tecnologias e modelos de vendas e marketing, é imenso. Você está preparado?

 

As implantações de Internet das Coisas  (tema já abordado nesta matéria aqui no blog) vão gerar grandes quantidades de dados, que precisam ser processados e analisados em tempo real.

 

Este processamento aumentará na proporção das cargas de trabalho dos data centers, fazendo com que fornecedores tenham novos desafios de analíticos, segurança e capacidade.

 

Os gerentes de data center precisarão implantar mais gerenciamento de capacidade preditivo nestas áreas para conseguirem atender proativamente às prioridades de negócios associadas à Internet das Coisas.

A Internet das Coisas conecta dados

 

Fornece um fluxo de dados entre eles e sistemas de gerenciamento centralizados.

 

Estes ativos podem, então, integrar-se a processos organizacionais novos e existentes para prover informações sobre status, localização, funcionalidade, entre outros.

 

A informação em tempo real permite entender mais precisamente o status, o que aprimora a utilização e a produtividade, por meio do uso otimizado e do apoio a decisões mais precisas.

 

Analíticos de negócios/dados oferecem insights para a alimentação de dados de requisitos de negócio do ambiente de Internet das Coisas e ajudarão a prever as flutuações dos dados enriquecidos e de informação.

 

A nova arquitetura apresentará desafios significativos às equipes de operações, pois eles precisarão gerenciar todo o ambiente como uma entidade homogênea, enquanto monitoram e controlam localidades individuais.

 

Além disso, fazer backup desse volume de dados terá questões de governança potencialmente não solucionáveis, tais como, largura de banda de rede e de armazenamento remoto e a capacidade de fazer backup de todos os dados brutos que, provavelmente, será inviável.

 

Nesse contexto, são sete os grandes desafios da IoT:

1- Segurança – A crescente digitalização e automação dos milhares de dispositivos implantados em diferentes áreas dos ambientes urbanos modernos darão origem a novos desafios de segurança para muitos setores.

 

2-Empresa – Os significativos desafios de segurança continuarão pelo fato de que o Big Data – criado a partir da implantação de inumeráveis dispositivos – aumentará, drasticamente, a complexidade de segurança.

 

Isto, por sua vez, impactará nas exigências de disponibilidade, que também devem crescer, colocando processos de negócios em tempo real e, potencialmente, segurança pessoal em risco.

3- Privacidade do consumidor – Como já acontece com os equipamentos de  medição inteligente e automóveis cada vez mais digitais, haverá um vasto volume de dados fornecendo informações sobre o uso pessoal dos dispositivos que, se não forem seguros, podem abrir caminho para violações de privacidade.

 

Isto é um desafio, pois a informação gerada pela Internet das Coisas é essencial para trazer melhores serviços e o gerenciamento destes aparelhos.

4- Dados – O impacto da Internet das Coisas no armazenamento tem duas vertentes em relação aos tipos de dados a serem armazenados: pessoais (de consumidores) e Big Data (de empresas).

 

Dados serão gerados, na medida em que os consumidores usam Apps e os dispositivos continuam a aprender sobre eles.

 

5- Gestão de armazenamento – O impacto na infraestrutura de armazenamento é outro fator que contribui para a demanda crescente por mais capacidade e um dos que deverá ser resolvido, pois estes dados se tornam mais presentes.

 

O foco atual precisa ser na capacidade de armazenamento, bem como, em saber se o negócio é capaz de coletar e usar dados da Internet das Coisas de uma maneira efetiva em termos de custos.

6- Tecnologias de servidores – O impacto da Internet das Coisas no mercado de servidores será amplamente focado no investimento crescente em segmentos chave e organizações relacionadas a eles, nos quais a Internet das Coisas possa ser rentável ou gere valor significativo.

 

7- Rede de Data Center – Os links WAN nos data centerd são dimensionados para as necessidades de largura de banda moderada, geradas por interações humanas com aplicações.

 

A Internet das Coisas deve mudar esses padrões!

Transferindo grandes volumes de dados de sensores de mensagens pequenas ao data center para processamento, aumentando as necessidades por largura de banda de entrada no data center.

Dicas para um melhor desempenho digital na empresa

Posturas que podem melhorar o desempenho digital das empresas

 

  1. Otimize o desempenho da sua entrega. Provedores precisam entender como entregar suas aplicações. Isso pode ser alcançado reduzindo o peso da página, o número de objetos e de conexões feitas durante cada sessão, além do número de fornecedores externos.

Otimizar a entrega de um site de varejo é o início desse processo, mas os provedores devem olhar mais adiante para ver como a página é entregue também no lado do servidor.

Ter o foco apenas na visão do cliente (navegador) ou do servidor é uma receita para o desastre

  1. Tenha um plano. Todo mundo precisa de um projeto para seguir. Os provedores devem garantir que têm um plano preparado para quando as coisas falharem, e esse plano não pode ser apenas uma iniciativa reativa de recuperação de erros.

Em vez disso, é necessária uma abordagem proativa que enxergue além e garanta que os sites e aplicações sejam completamente testados.

Os planos devem incluir todas as partes da organização, não sendo limitados apenas a operações, e devem conter ainda as áreas de Testes, Desenvolvimento e os responsáveis por negócios digitais.

  1. Tenha a plataforma de desempenho digital. Um site fora do ar durante é uma experiência traumática para um provedor. Não basta ter um plano, você precisa ter também a plataforma certa preparada. Quando as coisas dão errado para um varejista, normalmente ele entra em uma situação de “sala de guerra”.

Os provedores precisam enxergar além das ferramentas e utilizar plataformas de gestão do desempenho digital que todos da organização possam usar, incluindo as áreas de Operações, Desenvolvimento, Testes e os responsáveis por negócios digitais.

  1. Entenda os dados. Ter a plataforma pronta é um passo na direção certa, mas você também precisa da especialização para entender o que os dados estão lhe dizendo.

A maioria dos provedores tem equipes de indivíduos que entendem suas partes da aplicação e alguns experts que têm a grande visão geral de como tudo funciona. Aplicações modernas são incrivelmente complexas, com centenas – às vezes milhares – de dependências.

Vasculhar os arquivos de log (que é o que vemos com mais frequência) é o modo antigo e oneroso de se resolver um problema

Os provedores precisam ter um entendimento da relação entre os componentes da aplicação e os fatores externos da Internet.

Embora a maioria tenha alguns especialistas, é mais importante ter uma plataforma da próxima geração para notificar automaticamente que o evento está ocorrendo, analisar as dependências e descobrir a causa-raiz do problema.

A Città Telecom oferece serviços de voz e dados de qualidade com a rapidez que você merece – Agende uma visita de um consultor e conheça nossas soluções, 3400-5000.

Rede de Acesso: O que é

A Rede de  Acesso à Internet tem sido objeto de várias ações de marketing para os diversos setores da área de Telecomunicações, começando pelas operadoras de serviços exclusivos de acesso à Internet, passando pelas operadoras de telefonia fixa e celular, e terminando nas operadoras de serviços de satélite e de TV a cabo.

Enfim, existem várias opções de banda larga que podem ser contratadas quando se faz necessário o acesso à Internet.

Entretanto, em maior ou menor grau, o usuário final não faz a mínima ideia de como esse serviço é implantado.

 

Uma rede de acesso é a parte de uma rede de telecomunicações que conecta os assinantes (membros) ao seu provedor de serviços imediato. Ela é contrastada com a rede núcleo, (por exemplo o Subsistema de Comutação de Rede em GSM) que conecta provedores locais a outros provedores.

A rede de acesso pode ainda ser dividido entre rede de distribuição ou plana alimentadora, e planta baixa ou rede de borda.

Herança da telefonia

Uma rede de acesso ou planta externa refere-se às séries de fios, cabos e equipamentos que se encontram entre um ponto de terminação de telefone do cliente/negócio (o ponto em que uma conexão de telefone alcança o cliente) e a central telefônica local.

A central telefônica contem bancos de equipamentos de comutação automatizados para direcionar uma chamada ou conexão ao cliente.

A rede de acesso é talvez um dos ativos mais antigos que um operador de telecomunicações possui, e está constantemente em desenvolvimento, crescendo sempre que novos clientes são conectados, e quando novos serviços são oferecidos.

Isto faz com que a rede de acesso seja uma das redes mais complexas do mundo para se manter e controlar.

Conceito

A Rede de Acesso à Internet é normalmente fornecido por um PASI (Provedor de Acesso a Serviços de Internet) ou por uma operadora com licença SCM (Serviços de Comunicação Multimídia).

De acordo com o tipo de serviço solicitado pelo usuário final esse acesso pode ser discado ou de banda larga. O tutorial do Teleco Acesso à Internet detalha as características desses serviços.

Independentemente do tipo de prestador do serviço, a implementação de um meio de acesso à Internet tem, basicamente, 3 blocos funcionais, conforme demonstram a figura e a descrição a seguir:

  • POP: é o ponto de presença da operadora onde se encontram os equipamentos de acesso ao usuário e da rede IP que se interliga a Internet;
  • Rede de Acesso: é o elemento de ligação entre o POP e o usuário final, sendo normalmente constituído por cabos de cobre, cabos de fibra óptica ou pelo próprio “AR” (para ligações via rádio e satélite) e, quando necessário, por equipamentos de regeneração ou recuperação de sinal;
  • CPE (Customer Premisses Equipment): é o equipamento ou o acessório que interliga-se com a rede de acesso e com o computador do usuário final, fazendo as devidas conversões de sinais elétricos e de protocolos para implementar a conexão que vai permitir o acesso à Internet.

Dentre esses blocos funcionais, a Rede de Acesso tem sido o elemento chave para a expansão generalizada do acesso à Internet.

A rede mais comum e que propicia o acesso imediato a Internet é a rede de telefonia fixa já implantada e que chega a grande maioria dos usuários finais. Mesmo assim, sobre essa rede foram fornecidos serviços de acesso discado, de menor banda e que caíram em desuso, que foram migrados para os atuais serviços de banda larga, com tecnologias mais complexas, e que têm permitido a expansão desses serviços com custos mais adequados.

Outras redes, com penetração nos centros urbanos, são também utilizadas para fornecer esse tipo de serviço. É o caso das redes de TV a cabo, que utilizam a mesma infraestrutura para fornecer o serviço de TV, o acesso em banda larga e os serviços de telefonia VoIP, sendo que esses serviços são oferecidos na forma de pacotes com custo competitivo, quando se compara com o mesmo conjunto de serviços vendido separadamente.

Finalmente, as diversas redes sem fio baseadas no uso de rádio, como é o caso das operadoras de telefonia celular ou de serviços baseados nas tecnologias Wimax e Wi-Fi, e de satélite, têm oferecido opções de acesso que concorrem com as redes já mencionadas também nas regiões metropolitanas, mas que aparecem como única alternativa para atender os usuários finais em locais onde as outras redes ainda não chegaram ou não pretendem chegar.

Isto posto, podemos dizer que o Meio de Acesso à Internet é composto pela Rede de Acesso e pelo respectivo CPE. Cada operadora, de acordo com a licença que possui e com as características de sua rede, pode fornecer um ou mais Meios de Acesso para os seus usuários finais.

Processo da Rede de Acesso

O processo de se comunicar com uma rede começa com uma tentativa de acesso, em que um ou mais usuários interagem com um sistema de comunicações para permitir a inicialização da transferência de informações do usuário. Uma tentativa de acesso propriamente dita começa com uma emissão de uma requisição de acesso por um originador de acesso.

Uma tentativa de acesso termina em um acesso com êxito ou em uma falha de acesso – um acesso sem êxito que resulta no término de uma tentativa de qualquer maneira que não seja a iniciação de transferência de informações do usuário entre a fonte e o destino pretendidos dentro do tempo de acesso máximo especificado.

A falha de acesso pode ser o resultado da interrupção de acesso, bloqueio de usuário, acesso incorreto ou negação de acesso. A negação de acesso (bloqueio do sistema) pode incluir:

  • Falha de acesso causada pela emissão de um sinal de bloqueio do sistema por um sistema de comunicações que não possui a funcionalidade camp-on de originador de chamada.

 

  • Falha de acesso causada pela excedência do tempo de acesso máximo e pela fração de tempo de acesso de sistema nominal durante uma tentativa de acesso.

A Città Telecom leva a fibra até a sala do cliente com 99,7% de garantia de banda –

entre em contato e solicite uma visita de um consultor Città – 3400-5000