Em pesquisa realizada pelo Center for Information Systems Research (CISR), do MIT, constatou-se que as empresas mais lucrativas implementam, de alguma forma, Governança de TI. Ou seja, realizam uma gestão de ti baseada na transparência, agregando valor aos negócios, buscando soluções que proporcionem retorno sobre o investimento, além de proporcionar segurança e proximidade com os clientes.

Existem modelos adotados pelas empresas de tecnologia que hoje fazem sucesso em outros setores do mercado, mas a inovação na gestão de ti continua sendo dessas empresas que precisam se adaptar rapidamente às mudanças de mercado.

Um modelo tradicionalista de gestão raramente contribui para um ambiente dinâmico como o das empresas de tecnologia, por isso buscar modelos inovadores e melhor adequados a essa realidade tem sido um dos grandes desafios de muitos empreendedores.

ITIL

Diante dessas necessidades apresentadas, como base para a boa governança em TI, uma prática bem estruturada para ser aplicada é a Information Technology Infrastructure Libray – ITIL. Ela foi desenvolvida na Inglaterra pela Central Computer and Telecommunications Agency – CCTA -, órgão do governo inglês, no final da década de 80, a partir da necessidade do governo de ter processos organizados na área de tecnologia da informação e comunicações.

No início dos anos 90, dada a sua grande capacidade de adaptação a quaisquer estruturas, a ITIL tornou-se uma prática adotada por diversas empresas européias. Em 1996 tornou-se referência mundial quando foi adotado por companhias da Austrália, Canadá, Estados Unidos e diversos países da Ásia. No ano de 2000 foi criado o OGC (Office for Government Commerce) com intuito de regulamentar o uso do ITIL em âmbito mundial.

De acordo com o instrutor do curso Gestão de Serviços de TI – ITIL e Seus Fundamentos, oferecido pelo Ietec, o mestre em qualidade Jorge Luiz de Castro, essa prática chegou ao Brasil no ano de 2000. “Estamos em um processo de transição, com a formação de profissionais capacitados para lidar com as práticas do ITIL”, diz Castro.

BSC – Balance Scorecard

Bastante conhecido dos profissionais de gestão mais experientes, o BSC é uma metodologia que confronta a estratégia de negócio com o seu desempenho, desenvolvendo indicadores de performance para a empresa. O BSC está baseado em quatro perspectivas integradas, sem as quais a empresa não consegue atingir o crescimento e a competitividade ideais. São elas: financeiro, clientes, processos internos e de aprendizado e crescimento.

Como o BSC é uma metodologia que acompanha toda a gestão da empresa, é possível identificar o passado e prever tendências futuras, dando maior vantagem competitiva para a empresa de tecnologia através de diagramas de causa e efeito que demonstram como, quando e porque cada situação ocorre, ocorreu ou ocorrerá.

PMBOK – Gerenciamento de Projetos

 

Uma das obras mais consagradas de gestão para empresas de TI é o Guia PMBOK, que traz um conjunto de melhores práticas a serem aplicadas na execução de qualquer tipo de projeto, assim como o ITIL.

As empresas que adotam o gerenciamento de projetos como modelo de gestão se tornam mais ágeis e eficazes no desenvolvimento de soluções para seus clientes, otimizando tanto recursos humanos quanto recursos financeiros na consecução de seus projetos.

A alocação de mão de obra é feita de acordo com a demanda de cada projeto e as práticas listadas mostram os caminhos mais eficazes para que haja sinergia entre os envolvidos no projeto e melhor utilização do tempo e esforços de todos.

O PMBOK está dividido em dez áreas de conhecimento, as quais devem ser consideradas na gestão da empresa de tecnologia para que haja maior eficácia em todo o seu processo. Confira essas áreas de gerenciamento:

  • Escopo;
  • Tempo;
  • Qualidade;
  • Custos;
  • Crises;
  • Recursos Humanos;
  • Comunicações;
  • Relacionamento com stakeholders;
  • Aquisições;
  • Integração.

Cada área de conhecimento do PMBOK traz consigo suas melhores práticas, que podem ser adaptadas a qualquer tipo de situação ou projeto, visando maximizar resultados e criar valor para o cliente.

 

 

Conheça algumas das melhores práticas para gestão da TI, na opinião dos participantes do CIO Executive Council:

 

  1. Defina a taxonomia dos serviços e dos produtos da TI

É indispensável alinhar os discursos e um passo para isso é usar um vocabulário comum para se referir a determinados produtos. A tarefa de classificar todos os itens na TI consome tempo e impõe desafios, todavia, o exercício da taxonomia ajuda na comunicação entre os diferentes grupos e possibilita que os assuntos sejam discutidos em um padrão que seja compreendido por setores distintos da empresa.

Tal classificação é especialmente importante na medida em que as atribuições da TI mudam face à introdução de novas tecnologias.

 

  1. Não espere por dados perfeitos

É comum CIOs seguirem a implementação de tecnologias e de soluções até terem certeza de ter analisado dados precisos. O temor é que dados imprecisos gerem resultados negativos ou inesperados.

Ainda assim, como muitas empresas poderão comprovar, deixar que os dados sejam depurados ao longo dos processos não é uma alternativa tão ruim assim. Os CIOs exemplificam esse ponto ao relatar sobre dois gerentes de fábrica com perspectivas diferentes sobre a qualidade dos dados para dar sequencia à implementação de um sistema.

Para um, nada substituiria informações 100% corretas, ao passo que o outro aceitou trabalhar com uma margem de precisão de 90%. Em menos de um mês, as informações antes 90% corretas haviam se transformado em dados totalmente confiáveis

.

  1. Esqueça as certificações – contabilidade é a palavra do momento

Uma das atribuições mais importantes do CIO da atualidade é a capacidade de manter uma contabilidade sobre todos os processos da TI.

Em algumas empresas, por exemplo, os colaboradores de TI estão passando

por um treinamento básico de contabilidade e de cálculo de custos. Sem esse conhecimento, os CIOs são incapazes de oferecer uma visão completa acerca das soluções e projetos.

  1. Comece com projetos de alcance limitado

Sabemos que os tentáculos da gestão corporativa de Tecnologia (TBM) se estendem por toda a empresa. Isso dificulta a escolha do ponto inicial de todos os projetos.

O conselho dos CIOs para isso, é escolher um aplicativo ou um produto que seja largamente usado na empresa e cujas características sejam conhecidas por todos.

A vantagem na adoção dessa estratégia é o fato dela ser uma espécie de vitrine para sua capacidade de implementar processos de forma eficiente. Ela poderá agir em seu favor na argumentação de implementações futuras.

  1. Faça alterações de largo espectro

Soluções como as de virtualização são posicionadas em pequena escala e, depois, estendidas às outras áreas da empresa. Ocorre que em determinados casos, vale a pena realizar implementações em grande escala. Segundo os participantes no evento, essa é a receita para o sucesso no longo prazo.

A diferença entre ritmos de implementação diferentes se espelha na percepção dos colaboradores. É comum que “inovação” seja confundida com “transformação”, pois ambas resultam em mudança. Mas transformação prevê a mudança de algo, ao passo que inovação significa “criação”.

E então, que modelo de gestão sua empresa utiliza atualmente?

Você acredita que um destes modelos seria interessante para promover uma inovação na gestão do seu negócio?